Dicas sobre Vinhos

Uso da Taça de Vinho

O uso adequado da taça de vinho é fundamental para o seu consumo!


Para otimizar as qualidades que um vinho possui, esse deve ser consumido na taça apropriada, que, como regra geral, varia conforme abaixo:

 

Taça Bordeaux:

É adequada para vinhos tintos elaborados com as uvas Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Shirah, Sangiovese e outras castas que compõem vinhos tintos mais encorpados.

 

Taça Borgonha:

É adequada para vinhos tintos elaborados com as uvas Pinot Noir, Nebbiolo e outras castas presentes em tintos mais delicados e menos encorpados.

 

Taça Vinho Branco:

É adequada vinhos brancos elaborados com as uvas Chardonnay, Sauvignon-Blanc, Riesling, assim como castas que integrem outros vinhos brancos, de sobremesa e vinho tinto do Porto.

 

Taça Champagne e Proseccos:

Esta taça é adequada para espumantes em geral – Champagne, Prosecco, Cava e frisante, dentre outros.

 

 

Condições de Armazenamento e Temperatura

Os vinhos devem ser armazenados preferencialmente na posição horizontal, a fim de permitir que o líquido contido nas garrafas fique sempre em contato com a rolha. Isto permitirá que a rolha não resseque de forma prematura, fato que, se ocorresse, poderia resultar na geração de fissuras na rolha, com a respectiva entrada de ar na garrafa e a consequente oxidação do vinho.


As garrafas de vinhos devem ser armazenadas ao abrigo da luz, preferencialmente em local em que não haja ruídos, a fim de que possam envelhecer.


A temperatura de armazenagem do vinho deve ser sempre constante, preferencialmente entre 12 e 15 graus.


É importante que as adegas onde estejam armazenados os vinhos possuam controle de umidade, devendo umidade relativa do ar não ser inferior a 60%, também não podendo ser superior a 85%.


A baixa umidade permite que a rolha resseque, sendo que a alta umidade pode favorecer o ataque de fungos à rolha, o que poderá estragar o vinho.

 

Temperaturas de Serviço

Os vinhos devem ser servidos em temperaturas adequadas e compatíveis com seus respectivos estilos e estruturas.

 

A Galeria dos Vinhos sugere que as temperaturas de serviço do vinho sejam:

  • Vinhos Tintos Encorpados (Bordeaux): 18° a 20°
  • Vinhos Tintos Leves (Borgonha e Cotes du Rhone): 15° a 17°
  • Vinhos do Porto Tintos: 16° a 18°
  • Vinhos Rosé e Brancos Secos Encorpados: 11° a 13°
  • Jerez e Vinhos do Porto Brancos: 10° a 12°
  • Vinhos Brancos Leves e Aromáticos: 11° a 13°
  • Champagnes e Espumantes encorpados: 7º a 9º
  • Brancos Doces e Espumantes Leves: 6° a 8°

 

Defeitos do Vinho

 

Bouchonée

O Bouchoné é um defeito do vinho caracterizado por um aroma de mofo identificável através do exame olfatório. É causado pela atuação de um fungo chamado TCA, que ataca a rolha do vinho, sendo diagnosticado somente após a abertura da respectiva garrafa. O nome bouchonée deriva do termo “bouchon”que em francês quer dizer rolha.

 

Uma vez aberta determinada garrafa com o defeito bouchonée, a intensidade do aroma de mofo aumentará após o decurso do tempo. Portanto, ao efetuar o exame olfatório, caso haja dúvida sobre a caracterização ou não do bouchonée, basta aguardar pequeno período de tempo (10 a 15 minutos), uma vez que, estando o vinho efetivamente bouchonée, este lapso de tempo será suficiente para que o defeito seja claramente identificável.

 

Oxidação

A oxidação é um defeito caracterizado, em alguns casos, pelo aroma de vermut, podendo também o vinho oxidado possuir aroma de vinagre.

 

A oxidação decorre do contato do vinho com o ar, sendo muitas vezes resultado do incorreto armazenamento ou transporte do vinho.

 

Foxado

O vinho foxado é aquele que possui predominância de característica similar ao suco de uva.

 

Este defeito está presente geralmente em vinhos que foram elaborados com uvas não-viníferas, ficando todas as qualidades do vinho preteridas em função de uma característica principal, qual seja, o aroma e o gosto de suco de uva.

 

Brettanomyces (Brett)

Também conhecido por Brett, a brettanomyces não é propriamente um defeito do vinho, mas uma característica presente em alguns vinhos tintos decorrente de seu processo de elaboração.

 

O Brett caracteriza-se por aromas anticépticos, como por exemplo, de band-aids (nome químico de 4-ethyl phenol), ou aromas de estábulo de cavalos. Ou em outros casos também se caracteriza por aroma equivalente ao aroma de bacon defumado (composto químico 4-ethyl guaiacol).

 

O Brett, em geral, pode ser formado em razão de certas condições existentes durante o processo de fermentação. Níveis de dióxido sulfuroso cumulados com alto PH e temperaturas mais altas durante a fermentação na barrica (ou na adega antes do produto sair ao mercado) podem propiciar condições para o desenvolvimento do Brett. O Brett também pode ser desenvolvido em função do uso de barricas velhas, utilizadas por várias vezes.

FONTE:Galeria dos Vinhos

Be Sociable, Share!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *